sexta-feira, 25 de abril de 2014

ATEU, DEÍSTA E O RELIGIOSO - ALGUMAS REFLEXÕES



Quando paramos para refletir acerca dos mistérios da vida e da criação, por vezes ficamos em dúvida e um tanto confusos. A ciência não disse ainda a palavra final. De tempos em tempos surgem novas teorias que logo em seguida são questionadas ou derrubadas por novas teorias, e assim sucessivamente. 

Harmonia do universo


Diante de tantas dúvidas,  fica difícil imaginarmos a harmonia do universo ou a beleza da natureza como fruto do acaso.
Se ocorresse uma pequena oscilação no eixo do planeta terra, já seria o suficiente para inundar continentes e acabar com a vida humana na terra. Se a temperatura do sol aumentasse ou se houvesse qualquer oscilação em sua órbita, também seria o caos, enfim, fica difícil imaginarmos que o acaso tenha criado um universo tão harmônico e perfeito com precisão matemática, como são as 24 horas do dia, as estações do ano etc...

Beleza da natureza
 
Por isso, não sou ateu e creio que ninguém é 100% ateísta. 
De alguma forma, o ser humano possui a tendência de acreditar em algo, não necessariamente num Deus como os fanáticos religiosos apresentam, mas num ser inteligente cheio de amor e sabedoria, um E.T. mais evoluído que os terráqueos, ou algo parecido. rsrsrsrs.

Se realmente não acreditassem em nada, o número de suicídios no mundo seria muito maior quando as pessoas se vissem diante de grandes problemas, como uma doença incurável, depressão, tédio, falta de sentido ou prazer na vida, dentre outros problemas que por vezes parecem não ter solução, afinal, deixariam de sofrer, pois tudo se acabaria no nada.

O fato é que para  muitas pessoas é desesperador imaginar que tudo se acaba no "nada". É comum levantarem os seguintes questionamentos


- Se tudo se acaba, se a vida não continua em outro plano de vida, se tudo o que aprendi e todo o conhecimento que continuo adquirindo se perderá com a morte, então por que eu vou ficar me esfolando para estudar e me aperfeiçoar por vários anos?
- Por que eu vou batalhar para ter uma profissão e ralar ano à ano, se eu vou morrer e usufruir poucos anos de vida nesse planeta? 
- Após a morte, não reencontrarei ou perderei para sempre as pessoas a  quem amo? 
- Se é assim, que sentido tem a vida?

Some-se a esses, e diversos outros questionamentos, a certeza de que a vida não é composta somente de alegrias e prazeres, ninguém é 100% feliz. Aborrecimentos, problemas e sofrimentos ocasionais ao longo da vida são inerentes ao ser humano. 

Por isso, as pessoas sentem a necessidade, as vezes inconsciente, de se apoiarem numa "muleta psicológica" para se sentirem motivadas e terem ânimo para seguirem em frente. Para muitas pessoas, essa "muleta psicológica" seria acreditar em algo. Muitas delas encontram esse algo na religião.
O problema é que alguns dirigentes dessas religiões faltam com a verdade, seja por falta de conhecimento ou por interesses escusos.
Como falta lucidez e discernimento a muitos desses fiéis, ou por estarem emocionalmente fragilizados, eles acabam se tornando vítimas de todo esse sistema que os tornam submissos.

Não podemos mudar radicalmente nosso modo de agir por causa de fanáticos religiosos, e por causa deles sair por aí tentando mudar as consciências alheias a ferro e fogo, porque cada um muda a seu tempo de acordo com o grau de seu entendimento. Não se impõe conhecimento, trata-se de uma questão de maturidade, evolução, e de querer conhecer a verdade sem fantasias e ilusões. Quando tentamos "forçar a barra" estamos sendo tão fanáticos quanto aqueles religiosos.
Lembrem-se, mais cedo ou mais tarde, a verdade sempre prevalecerá. No passado, quem achava que a terra era redonda era tido como louco. 

Ateísmo e religiosidade - O perigo do fanatismo.


O fato é que todo fanatismo é perigoso. " Nos últimos séculos, milhões de cristãos foram perseguidos ou dizimados por outros grupos religiosos ou ditadores, (......) Todos os estados ateus antirreligiosos Comunistas, como a União Soviética e República Popular da China, perseguiram o cristianismo e todas as demais religiões"  (ver: ateísmo marxista-leninista).

Todo ensinamento deve estar respaldado pela lógica e passar pelo crivo da razão, assim sendo, é óbvio que devemos questionar e não aceitar alguns absurdos que fanáticos religiosos tentam nos impor, porém, ambos os lados pecam quando resvalam pelo fanatismo. 


William Shakespeare já dizia " Existem mais coisas entre o céu e a terra do que sonha a nossa vã filosofia."

Algumas definições:

Ateu: Não crê em Deus ou em qualquer ser superior
Deísta: Aquele que crê em Deus sem aceitar religião nem culto.

Religioso: Aquele que crê em Deus e pertence a uma corrente religiosa. Alguns deles, dependendo do segmento religioso que professam, se tornam fanáticos intolerantes e não aceitam as práticas religiosas de outras correntes. Acham que seu caminho é único, verdadeiro e inquestionável.

Luiz Lira
Atuo na área de Recursos Humanos.
Nas hora vagas, gosto de ler, refletir e opinar sobre comportamento, relacionamentos e dilemas do cotidiano. 
Gosto de compartilhar temas que estimulem a reflexão.