segunda-feira, 8 de agosto de 2016

O SIGNIFICADO DE UM AMIGO - ALGUMAS REFLEXÕES




Era sexta-feira. Dia de happy hour com os amigos da empresa em que trabalho. Tínhamos combinado, que pelo menos uma vez por mês, sairíamos para beber, petiscar, e espairecer curtindo uns bons papos, porém, naquele dia, estava me sentindo meio jururu, numas de refletir sobre a vida.  Em meio a essas reflexões, resolvi que não iria sair com os colegas do trabalho, pois haveriam outras oportunidades. Decidi que naquela sexta-feira, faria uma visita ao meu amigo Fernando, que se encontrava internado num hospital.
Seu problema de saúde era grave, e segundo os médicos, as chances de melhora eram remotas. 

O trânsito na capital paulista estava congestionado, e assim, durante o trajeto rumo ao hospital, ia pensando na amizade que nutríamos um pelo outro. Lembrei-me daquele dia em que tinha esquecido de levar dinheiro para comprar meu lanche na cantina do colégio onde estudávamos.  Vendo-me sentado num canto, sozinho, sem lanchar, ele aproximou-se de mim, tocou em meu ombro, sentou-se ao meu lado, e prontamente se dispôs a dividir seu lanche comigo ou a emprestar uma grana para comprar a merenda.  Aquela atitude, me fez imaginar que o Fernando seria um dos meus melhores amigos.  O que realmente veio a se confirmar. Naquela época, tínhamos em torno de 15 anos.
Encontrava-me tão absorto com essa lembrança, que nem notei a abertura do semáforo. Um buzinaço atrás de mim trouxe-me de volta ao presente.


Ao entrar no quarto do hospital, procurei não demonstrar tristeza ao vê-lo tão abatido devido à doença que o consumia.
Pensei, como a vida é efêmera e frágil. Não temos o controle de nada. Até há pouco tempo, ele estava feliz da vida, todo animado, brincalhão, e fazendo planos de viajar nas férias, prosseguir seus estudos em nível de pós-graduação, etc.
Ao ver-me, ele conseguiu dar um sorriso, e apertou levemente a minha mão, dizendo devagar: "Oi cara, eu imaginei que você viria me visitar." 
Ao término da visita, ele me agradeceu.

Na semana seguinte, Fernando veio a falecer.
Recebi aquela noticia em casa com muita tristeza. Senti um enorme vazio.
Com os olhos marejados, e como em um filme, recordei-me dos melhores momentos da minha vida em que o Fernando esteve presente, bem como daquelas fases ruins em que ele chegava com um sorriso e uma palavra de incentivo para me apoiar ou encorajar.  
Lembrei da fase de bobeira do período da adolescência em que ríamos de tudo, até dos nossos próprios defeitos e micos. 
Quando começávamos a namorar uma garota, contávamos a novidade para o outro. Acho que era uma demonstração de amizade e confiança.


Tenho certeza, que teria me sentido extremamente mau, se não tivesse tido a oportunidade de ver meu melhor amigo pela última vez, caso tivesse optado em ir àquela happy hour.

A amizade verdadeira não se restringe apenas aos momentos bons da vida, de festas e alegrias.
Amigos apenas para as baladas e festanças há muitos, mas amigos de verdade, há poucos.
Os verdadeiros amigos, procuram estar presentes em todas as horas, sejam elas boas ou ruins, tristes ou felizes. É a pessoa com quem podemos contar para conversar, quando estamos diante de um problema ou dilema.

Essas reflexões são pertinentes, sobretudo nos dias atuais, onde a internet aproximou as pessoas por meio da telinha, porém, as tem afastado do contato pessoal, do olho no olho.


 
Luiz Lira
Atuo na área de Recursos Humanos.
Nas horas vagas, gosto de ler, refletir e opinar sobre comportamento, relacionamentos e dilemas do cotidiano. 
Prefiro compartilhar temas que estimulem a reflexão.





Agradável - Cícero

"Existirá algo mais agradável do que ter alguém com quem falar de tudo,


 como se estivéssemos falando conosco mesmo?"